Weby shortcut

PCC

Atualizado em 19/11/14 09:38.
 

   Universidade Federal de Goiás

 

Faculdade de Letras

Coordenação de Curso

Departamento de Estudos Lingüísticos e Literários

Departamento de Línguas e Literaturas Estrangeiras

Coordenação da Prática como Componente Curricular

 
 Prática como Componente Curricular  

 
                Normas e Orientações Gerais
 
            De acordo com a Resolução – CEPEC Nº 680 que fixa o Currículo Pleno do Curso de Graduação em Letras, modalidades Licenciatura Simples (Português, Espanhol, Francês, Inglês) e Bacharelado (Estudos Lingüísticos, Estudos Literários), para os alunos ingressos a partir do ano letivo de 2005, a Prática como Componente Curricular é tratada da seguinte forma:
            Art. 8º O aluno do Curso de Letras deverá cumprir um total de quatrocentas (400) horas de Prática como Componente Curricular, conjunto de atividades a serem desenvolvidas em grupos, que devem se dar no contato efetivo dos alunos com a realidade do ensino, nas suas diversas instâncias: escolas da capital e do interior, Secretarias de Educação estaduais ou municipais, Sindicatos, Associações, ONGs, Parques Educativos.           
            § 1º - As atividades de Prática como Componente Curricular serão orientadas e terão seus relatórios avaliados por professores da Faculdade de Letras.
            § 2º - Reservar-se-á até uma semana de cada semestre letivo para as atividades de campo desenvolvidas nessa categoria.
            § 3º - Cada projeto compreenderá cinqüenta (50) horas de atividades, incluindo elaboração, leituras prévias, trabalho de campo e redação/reelaboração de relatório.
            § 4º - Cada aluno deverá, ao longo do curso, participar de oito (8) projetos, totalizando as quatrocentas (400) horas.
            § 5º - Cada aluno poderá cumprir apenas e tão somente cinqüenta (50) horas por semestre nessa categoria.
            § 6º - O aluno com defasagem de horas deverá realizar a Prática em período de férias acadêmicas.
 
            Compete ao Conselho Diretor da Faculdade de Letras
 

1)      Discutir e submeter à aprovação a legislação interna da Prática como Componente Curricular;

 

2)      Discutir e submeter à aprovação os casos que não se enquadram no referido documento.

 
                Compete à Coordenação de Curso
 
1)    Inscrever os alunos nos projetos apresentados por ordem de chegada em data previamente divulgada pela coordenação da Prática como Componente Curricular, salvo aqueles que se inscreveram direta e antecipadamente com o professor orientador;
 

2)    Registrar as horas de Prática como Componente Curricular no Histórico Escolar do aluno;

 

3)   Arquivar projetos, relatórios escolhidos pelos professores, fichas de registro de horas e quaisquer outros documentos da PCC.

 
                Compete à Coordenação da Prática como Componente Curricular
 

1)      Propor normas, orientações e competências para o bom funcionamento da Prática como Componente Curricular;

 

2)      Planejar o calendário semestral e de férias;

 

3)      Divulgar o calendário semestral/férias e as ações a ele relacionadas;

 

4)      Divulgar os projetos inscritos;

 

5)      Ler os projetos; discuti-los com os professores, sugerir mudanças;

 

6)      Orientar alunos em relação à PCC e à escolha de projetos;

 

7)      Organizar projetos, fichas e relatórios para arquivamento;

 

8)      Organizar as fichas de inscrição/projeto;

 

9)      Assinar ofício, se necessário, encaminhado à instituição onde será realizada a Prática;

 

10)   Fornecer ficha na qual o professor orientador lançará a avaliação individual do aluno;

 

11)   Fornecer, se necessário, uma lista de freqüência ao professor orientador para que seja registrada a permanência do aluno na instituição onde será realizada a Prática;

 

12)   Orientar o servidor da Coordenação de Curso no lançamento das horas da PCC;

 

13)   Dirimir dúvidas e tomar outras providências que se fizerem necessárias.

  
                Do Funcionamento da Prática como Componente Curricular
 
1)   Todos os alunos ingressos em 2004, os ingressos a partir de 2005 e os que, por qualquer motivo, se inseriram na nova matriz do curso de Letras são obrigados a cumprir as 400 (quatrocentas) horas de Prática como Componente Curricular;
 

2)   A Prática será realizada em grupos de no máximo 05 (cinco) alunos, tanto nas observações quanto na elaboração do relatório;

 
3)   Os alunos serão distribuídos pelo número de projetos apresentados, de forma a não sobrecarregar um ou outro professor;
 
4)   Os professores das turmas que deverão realizar a Prática apresentarão os projetos a seus alunos e orientarão aqueles que neles se inserirem;
 
5)   Dois ou mais professores poderão, se acharem pertinente, orientar um mesmo projeto, desde que ele apresente linhas de ação diferentes. Neste caso, a distribuição dos alunos será a mesma aplicada aos outros projetos;
 
6)  Os professores que não ministram aulas para as turmas que deverão realizar a Prática poderão excepcionalmente orientar os alunos;
 
7)   Os professores substitutos também elaborarão e orientarão projetos, e procederão à correção dos relatórios com a supervisão, sempre que possível, de professores efetivos;

8)   Os projetos impressos deverão ser entregues pelos professores à Coordenação da Prática, obedecendo o calendário em pauta e encaminhados on line para a coordenação da PCC;

9)   Os professores terão o prazo de duas semanas (1o. semestre) e de uma ssemana (2o. semestre), incluindo releitura para proceder à correção e lançar a avaliação “aprovado” ou “reprovado” nas fichas individuais, entregá-las à Coordenação da Prática e assinar documento de entrega com a relação de alunos orientados;
 
10)Os professores que se dispuserem a oferecer a Prática em período de férias acadêmicas ficarão desobrigados de oferecê-la durante o semestre letivo em questão;
 

11)  Os professores deverão orientar seus alunos em horários alternativos aos das aulas;

 

12)  Os professores deverão instruir os alunos na produção do relatório;

 

13)  Os professores, se necessário, deverão estabelecer contatos com a instituição onde será realizada a Prática, agendar horários, entregar ficha de freqüência etc.;

 

14)  Os alunos deverão devolver aos professores a ficha de avaliação preenchida, assinada e carimbada pelo responsável da instituição onde foi realizada a Prática;

 
15)Os alunos deverão devolver a ficha de freqüência aos professores que a exigirem assinada pelo responsável da instituição onde foi realizada a Prática;
 
16)  Os alunos terão o prazo de duas semanas (1o. semestre) e de uma semana (2o. semestre) após o encerramento da Prática (incluindo reelaboração) para entregar o relatório aos professores;
 

17)  Os relatórios deverão ser entregues respeitando as normas de trabalho acadêmico;

 
18)  Caso haja reprovação, os alunos deverão se inscrever em outro projeto durante as férias, considerando o prazo para integralização curricular;
 
19)Os alunos que não participarem da Prática na semana oferecida deverão, como em qualquer outra atividade acadêmica de avaliação, apresentar um requerimento acompanhado de atestado médico à Coordenação de Curso, salvo os casos que permitem acompanhamento domiciliar;
 
20)A PCC de férias (meio e final de ano) só será oferecida aos alunos com defasagem de horas por motivos já definidos, ou seja, reingresso, reprovação, complementação de habilitação etc.; os casos omissos serão discutidos e submetidos à aprovação no Conselho Diretor da unidade mediante um requerimento por parte do interessado.

         Profa. Mary Fátima de Lacerda Mendonça
         Goiânia, 22 de fevereiro de 2008

 

 

Listar Todas Voltar